DRAFT 2017 New York Giants

Draft 2017 – Jogadores de Ataque – Quaterbacks

Photo by Ben Margot / Associated Press

Caros torcedores do NY Giants,

Fim de temporada. Agora será um longo prazo de espera até o draft e depois um prazo maior ainda sem notícias mas aqui no GiantsBrasil não, kiridinha. Conforme prometido, irei falar do Draft de 2017 com vocês, principalmente, os melhores em cada posição, bem como se existe algum interesse do Giants naquela posição ou jogador.

Antes de iniciar, fiquem atentos que muitas coisas vão acontecer até o dia do draft, por exemplo, o combine ou alguma foto constrangedora, são fatos que podem alterar a ordem dos jogadores e, principalmente, elevar algum jogador para o primeiro round do draft.

Eu vou começar pelos quaterbacks (QB), uma classe que tem talento mas nada que surpreende ou aquele jogador fora de série tal como Andrew Luck foi quando chegou ao draft. Parte dessa desconfiança é culpa dos recentes fracassos com as classes de QB vindas do drafts, são exemplos QB Jarod Goff do Los Angeles Rams e Paxton Lynch de Denver Broncos especulados para serem os melhores de suas turmas nem chegaram perto da titularidade nas respectivas franquias. Por outro lado, um dos QB mais desvalorizados pelos olheiros durante o draft, QB Dak Prescott do Dallas Cowboys, surpreendeu a todos e foi um dos destaques dessa temporada de 2016.

Chega de papo, seguem os nomes:

  • Brad Kaaya, QB, Miami – Apesar de ter chegado ao College em 2014, somente teve sua estréia em 2015 de onde não mais voltou, sendo considerado por muitos o melhor “pocket passing” do draft no momento porque os números do mesmo falam por si só, são 62 porcentos do passe completos para mais de  3.532 jardas que culminaram em 27 touchdowns. Possui uma visão muito mais bem elaborada dentro do pocket do que fora dele. Um físico relativamente bom com 95 kg e altura de 1,93 m. Desde 2014 quando era um calouro já começou como titular, por isso, experiência em jogos e liderança não lhe faltam. Entende perfeitamente a trajetória da bola no fundo do campo e usa muito bem todos os lados do campo, o que facilidade ele aprender qualquer playbook da NFL. Porém, também tem o lado ruim, procurando a melhor jogada ele costuma prender a bola demais e ficar aberto a tomar hits, se isso aconteceu no college imagina com as defesas da NFL. A mecânica do braço e força nos lançamentos precisam evoluir um pouco para chegar a nível profissional, aquele lançamento limpo e rápido. Para ver vídeos em jogos completos, clique aqui. Previsão de sair no segundo ou terceiro round.
  • Deshaun Watson, QB, Clemson – A temporada de calouro do jogador começou em 2014, porém, diferente da grande maioria, logo de cara o jogador já começou como QB titular em 21 de setembro de 2014 contra North Carolina Tar Heels quando Watson lançou nada mais do que seis passes para touchdown completanto 27 passes de 36 tentados para 435 jardas e uma interceptação, um baixa começo para um calouro. Já em 2015 o jogador não deixou barato e começou a desenvolver seu jogo com as próprias pernas ficando com números impressionantes como 4.104 jardas lançadas para 35 touchdowns e 13 interceptações com 68% dos passes tentados completos, performasse essa que culminou com uma indicação para o troféu Heisman daquele ano, porém, o ganhador foi o então RB Derrick Henry do Tennessee Titans. No ano seguinte, 2016, não podia ser diferente, terminou a temporada com 4.593 jardas com 67% dos passes tentados completos para 41 touchdowns e 17 interceptações, bem como anotou 9 touchdowns corridos, números que também resultaram na indicação para o troféu Heisman, porém, também ficou em segunda lugar na votação (o vencedor foi o QB Lamar Jackson de Louisville’s). Entretanto, 2016, foi especial para o jogador porque Clemson chegou a final do campeonato nacional universitário (College Football Playoff National Championship) contra a universidade de Alabama, derrotando a melhor defesa do College com a impressionante marca de 36 passes acertados de 56 para 420 jardas que culminaram em 3 touchdowns com zero interceptações, bem como dando o título para Clemson com o placar de 35-31. Essa façanha deu um “bum” ao jogador impressionante nos rankings dos especialistas para o draft de 2017. O jogador possui uma altura (1,91 m) e peso (99 Kg) excelentes para a NFL. Alguns vão achar que é leve demais ou até magrelo mas é esse físico que permite ao jogador ter um dos melhores atletismo entre os QB’s do draft, tem um excelente tamanho de mãos, sua presença no pocket é boa (sempre olhando para frente), solta a bola de maneira rápida e exerce um bom papel de liderança. O grande problema dele é grave mas cabe ao treinador que draftar o jogador estabilizar o jogador na NFL. Isso porque Watson utiliza em Clemson o college spread offense que consiste na formação da jogada comum, porém, o QB estará em formação SHOTGUN e pode dar para o RB que estará ao seu lado, ou, dependente da leitura do Defensive End do time adversário na jogada, pode ele mesmo correr com a bola. Eis aí o grande X da questão. Para quem não sabe o college spread offense é muito usado no college e contém inúmeros fracassos na NFL, por isso, muitos treinadores, olheiros, especialistas e jornalistas ficam com um pé atrás ao falar do jogador, principalmente, porque os números do mesmo são mascarados pelo playbook adotado sendo que muitos especialistas são categoricos em afirmar que Watson não está pronto para estrear na NFL logo de cara e seja lá para qual franquia o jogador foi será necessário uma grande quantidade de treinos para melhor o passe do QB e a eliminação das corridas individuais do jogador no início devido ao físico menor da média e também porque os jogadores de defesa da NFL são bem mais agressivos do que os jogadores de defesa do College, isso tudo aumenta consideravelmente o risco de lesão do mesmo. Por fim, ainda sobre o college spread offense, Watson possui uma boa consistência em tomar decisões ao ler a defesa sendo esse também um dos principais motivos que o jogador ao ser draftado na liga deveria adotar outro estilo de jogo, logo, será necessário uma grande quantidade de preparação. Ao meu ver, esse é o jogador que mais vai ganhar no combine porque ele tem um físico excelente, talvez faça um excelente tempo na corrida de 40 jardas, portanto, fiquem atentos na valorização desse jogador pós combine. Para ver vídeos em jogos completos, clique aqui. Previsão de sair no primeiro roud.
  • DeShone Kizer, QB, Notre Dame – Começou a carreira ao ser recrutado por Notre Dame em 2014, começando como terceiro QB do time. Já em 2015, logo no início da temporada, o QB titular, Malik Jaire sofreu uma lesão que o tirou de toda a temporada, abrindo caminho para Kizer ser titular. em 2016, cumulou 59% dos passes completados para 2.925 jardas e 26 touchdowns. Sem contar que correu para outros 7 touchdowns. Ele é o primeiro dessa lista porque é o MELHOR QB desse draft de 2017, principalmente, porque demonstrou frieza ao tomar as melhores decisões possíveis em campo. Além disso, possuiu altura (1,94 m) e físico excelentes para a posição na NFL. Por fim, vale ressaltar que a mecânica do braço é um pouco diferente da agilidade da NFL mas potência no braço não falta ao jogador e seria relativamente fácil dizer que esse problema é tranquilo, porém, o que preocupa é o exceto de jogadas em formação shotgun (um posicionamento de ataque onde o QB fica afastado do center na hora do snap), na maioria dos jogos, tal conduta pode ser por uma falha técnica do jogador em fazer outros tipos de jogadas… possivelmente, essa dúvida será resolvida no combine porque certamente os olheiros dos times da NFL vão pedir alguns lançamentos em outros posicionamentos. Por outro lado, essa afinidade com o shotgun pode ser um prato feito para os times que jogam com jogadas de “read option” sendo essa uma das principais jogadas dele em 2016. Para ver vídeos em jogos completos, clique aqui. Previsão de sair no primeiro roud.
  • Mitch Trubisky, QB, North Carolina – O jogador foi reserva na posição desde sua chegada em 2013 até o início de 2016 quando culminou a temporada os números de 69% passes completados para 3.748 jardas em 30 touchdowns e 6 interceptações. A falta da titularidade em anos anteriores pesa muito para o jogador, porém, com a excelente temporada feita pelo mesmo resultou a demonstração que o jogador tem extrema habilidade atlética dentro e fora do pocket, bem como tomar decisões corretas que terminam em ganhos de jardas. O atleticismo do jogador é um pouco a similar ao do Watson, porém, Trubisky não é um jogador de sair do pocket, por isso, tem uma ótima visão dentro dele e possui força no braço para buscar jogadores mais ao fundo. Entretanto, essas jogadas de fundo não tem uma porcentagem de acerto correta porque o jogador tem uma leve dificuldade em acertar onde o recebedor de seu time vai se projetar (o chamado ponto futuro) e outro grande problema é sua mecânica de braço um pouco demorada para os padrões da NFL. Para ver vídeos em jogos completos, clique aqui. Previsão de sair no primeiro round.
  • Patrick Mahomes, QB, Texas Tech – Em 2014, Pat começou sua temporada de calouro como reserva de Davis Webb (sim, o que está na Cal, irei falar disso depois). Porém, depois de uma lesão, Pat assumiu o time algumas vezes durante a temporada em idas e voltas que terminaram com 1.547 jardas e 16 touchdowns com quatro interceptações. Já em 2015, logo garantiu a titularidade devido as lesões e má atuações de Davis Webb, culminando com 64% de passes completos para 4.653 jardas com 36 touchdowns e quinze interceptações. No ano seguinte, em 2016, após investir bastante no físico e utilizando o gimmick college offense que consiste em várias jogadas corridas ou enganosas como wild cat, triple option, air raid e wing T. Basicamente, o playbook dele tem um pouco de west coast offense com jogadas no pockets que podem variar com playaction para corridas ou passes fora do pocket. Efeito disso, foi que o jogador conseguiu a marca de 66% dos passes completados para 5.052 jardas e 41 touchdowns e 10 interceptações. Ele também conseguiu marcar 12 touchdowns corridos. O jogador marcou a NCAA (para ver todos os recordes registrados pela NCAA college clique aqui) com dois recordes de 734 jardas lançadas em um único jogo (vs Oklahoma, 22 de outubro de 2016) e 819 jardas (corrida + passes = total jardas de ataque) em um único jogo (vs Oklahoma, 22 de outubro de 2016). O jogador possui um excelente braço, tem um físico (104 kg) e altura (1,91 m) legais e parece estar apto a se desenvolver como pocket passer. Outra habilidade importante é o atletismo do jogador, ele consegue usar muito bem as pernas dentro e fora do pocket para ganhar tempo ou fazer excelentes jogadas. O grande problema é que alguns olheiros dizem que esse atletismo é unicamente feito para conseguir corridas se pondo em perigo de grandes pancadas porque as defesas da nfl são mais fortes e rápidas. Para ver vídeos em jogos completos, clique aqui. Previsão de sair no segundo round.
  • Davis Webb, QB, California – Conforme dito acima, Davis Webb começou a carreira no Texas Tech assim como Pat Mahomes, porém, na temporada de calouro em 2013 já assumiu a titularidade da posição conseguindo números bons como 63% de passes completos para 2.718 jardas com 20 touchdowns e nove interceptações. No ano seguinte, o jogador não ficou muito abaixo com 61% dos passes completados para 2.539 jardas com 24 touchdowns e treze interceptações. Até então tudo parecia bem encaminhando, todavia, em 2014, o jogador sofreu uma lesão no tornozelo que tirou o jogador por alguns jogos, quem assumiu a posição após a lesão e no ano seguinte (2015) foi Pat Mahomes, por isso, Webb logo demonstrou vontade de sair do Texas Tech. Em 2016, surgiram duas ofertas importantes da Universidade de Colorado Boulder (também chamada de Colorado ou C.U.) e da Universidade da California (também chamada de Cal ou Berkeley). No dia 25 de março de 2016 o jogador fechou com a Cal e logo começou a jogar na posição de QB como titular conseguindo seu melhor ano da carreira com 61.5% dos passes completos com 4.295 jardas para 37 touchdowns e doze interceptações. No senior bowl, um jogo comemorativo do College, estilo um Pro Bowl na NFL, porém, os times são formados com Norte vs Sul, Webb jogou três drives completando 11 de 16 passes para 165 jardas e um touchdown, por esse feito o jogador foi declarado MVP da partida. Os pontos fortes de Webb, entre muitas, ele possui uma excelente presença no pocket, é um autentico pocket pass e tem um braço muito forte demonstrando ótima visão de campo em ambos lados, bem como no fundo dele. Ele também possui uma habilidade de colocar a bola no ponto futuro dos seus recebedores com uma boa facilidade. Por outro lado, é necessário falar que sua técnica de lançamento precisa melhorar muito, ser limpa para ser rápida. O jogador também possui alguns problemas no chamado “under center” (é o contrário do SHOT GUN, aqui o QB fica atrás do center para receber a bola no snap) e precisa melhorar bastante o trabalho dos pés porque possui uma dificuldade absurda para sair dele (característica/defeito encontrada em boa parte dos qb que são pocket passer) ou fazer jogadas com os pés, por isso, ele precisa melhorar muito a técnica dele nesses fatores, ou seja, ele é um jogador em formação sendo que precisa de algum tempo na NFL para aprender e crescer. Isso soa familiar para vocês? Eu acho que esse jogador é a melhor pedida para o Giants, um jogador em formação que pode aprender muito com Eli Manning e pode evoluir de outras maneiras, sem contar que McAdoo pode desenvolver e treinar outros tipos de jogados no playbook do Giants que não pode usar agora mas quer desenvolver para o futuro. Essa minha escolha é justificada porque gastar uma escolha de primeiro round em um QB é para situações que a franquia não tem um jogador melhor na posição e necessidade desesperadamente de um. Não é o caso do Giants, eles tem um QB que pode durar mais um ano ou dois (até três). Eu sei que existem nomes melhores que atenderiam o playbook do McAdoo mas são opções caras, no cenário atual, Webb poderia sair no final do segundo round ou até mesmo no terceiro round, aí sim, poderiámos gastar uma escolha de draft em um QB reserva, já com as outras opções não porque eles estão saindo no primeiro ou segundo round. Para ver vídeos em jogos completos, clique aqui. Para demonstrar a realidade que o jogador se encontra nos drafts dos especialistas separei três drafts com base de dados diferentes (da sua esquerda para direita, em ordem: 1º BleacherReport – Matt miller, 2º CBS e 3º NFL.com) em todas elas o Webb está disponível no terceiro round:
Créditos da imagem por http://fanspeak.com/ontheclock (draft feito em 08/02/2017 por Lennon Guidolini)
  • Vale lembrar: Chad Kelly, QB, Ole Miss – Não posso deixar de falar nele. Apesar de estar na mesma universidade que Eli Manning e conter características de pocket passer perfeita para o Giants, Chad Kelly não é um QB ideal para qualquer franquia da NFL (o chamado franchise quaterback) porque é um jogador que vive com problemas extra campo, é brigas em bares e na internet com outros jogadores, são condutas antiesportivas tais como vive sendo noticiado na internet por ser visto usando drogas (clique aqui e aqui). O cara é tão barra pesada que já invadiu um jogo (cujo o irmão dele estava jogando e não ele) para brigar (clique aqui) com os jogadores que foram para cima do seu irmão mais novo. Além disso, ele era considerado uma estrela no ensino médio, tanto é que assinou com Clemson em 2012, porém, por condutas contra o programa da universidade ele foi dispensado. Ele já caiu bastante no draft, por isso, tem aparecido somente no quinto round em diante. Eu, pessoalmente, acho que as chances dele ser draftado são pequenas, porém, caso algum time queira arriscar e dar uma chance para o jogador, quem sabe… mas não acho que seja o caso do Giants, as condutas do jogador não correspondem com o perfil de jogador que a franquia deseja. Entretanto, eu queria fazer uma pequena ressalva, CASO, o jogador não seja draftado e vire free agent, seria excelente (e barato) contratar tal jogador para compor o elenco mesmo como terceiro QB, no pior dos casos, é fácil (e barato) mandar ele embora, o grande problema é que se eu já penso assim imagina os outros olheiros da NFL, pois é inegável que talento ele tem. Para ver vídeos de jogos completo do jogador, clique aqui. Previsão de sair no quarto em diante ou até em nenhum devido aos problemas extra campo.

No próximo irei falar um pouco dos RB’s mas eu gostaria de saber se você, leitor, prefere que seja dito primeiro de outra posição, por isso, deixa nos comentários aí qual você quer e comenta qual QB você prefere no Giants.

  • Felipe Negrelli Wolter

    Não sei o motivo, mas o estilo do davis Webb me lembra do sam bradford. se dependesse de mim, eu ficaria longe desse cara

  • Anddré Regueira

    Cara, eu ficaria muito feliz em ver o Watson no time, eu gosto muito desse jogador

Shares