Conhecendo o Adversário

Conhecendo o Adversário: Dallas Cowboys

Crédito da imagem: Giants.com

Junto com a nova fase do Giants Brasil, uma novidade que passará a acontecer durante a temporada regular: Toda terça-feira que anteceda um jogo do New York Giants, faremos uma análise do próximo adversário. Começando hoje, falaremos sobre o Dallas Cowboys, rival de divisão dentro da NFC East e atual líder. Um time que está com 11-1 e que perdeu o único jogo na temporada exatamente para o Big Blue.

O time do Dallas Cowboys é hoje o primeiro colocado geral da NFL. Está jogando realmente muito bem, principalmente no ataque, mas não podemos esquecer de um detalhe importante: eles terminaram a temporada passada em último lugar na NFC East, o que significa que tiveram pela frente nesta temporada todos os times que terminaram em último lugar em suas respectivas divisões dentro da Conferência Nacional. Mas o jogo que melhor pode descrever a dificuldade da próxima partida dos Giants é justamente o confronto de ambos os times contra o Pittsburgh Steelers. Enquanto Dallas conseguiu uma vitória por 35 a 30, os Giants acabaram fazendo a pior partida na temporada, sendo derrotados por 24 a 14. Ambas as partidas foram no Heinz Field.

  • Ataque carregado por Ezekiel Elliot e a Linha Ofensiva

O grande ponto forte do Cowboys é o ataque, em especial o rookie RB Ezekiel Elliot e a linha ofensiva. Muito se fala da combinação com o também rookie QB Dak Prescott, mas a verdade é que a OL considerada a melhor da NFL conseguiu abrir espaços durante toda a temporada para as corridas de Zeke, o que tirou a pressão de Prescott e deixou o novato com liberdade para fazer os passes que estão fazendo o nome dele. Entretanto, se observarmos apenas os momentos em que ele realmente sofreu pressão, a precisão do camisa #4 cai muito, com passes lançados com excesso de força ou então jogando a bola fora.

Falar de Prescott nos leva a falar das armas aéreas do time de Dallas. Durante anos, o WR Dez Bryant foi unanimidade deste ataque, entretanto parece que o novato não consegue utilizá-lo como se espera. Dez é apenas o 42º na lista de recebedores com 634 jardas e apenas 6 TDs. Outro que também é pouco utilizado é o TE Jason Witten, antes principal arma do antecessor de Dak, Tony Romo. Witten tem apenas 2 TDs na temporada e pouco mais de 550 jardas. Surpreendentemente, a principal arma do ataque aéreo tem sido o WR Cole Beasley, que até então era um coadjuvante. Nesta temporada, ele já recebeu 60 passes para 670 jardas e 5 TDs.

  • Defesa não compromete, mas também não amedronta

Se o ataque dos Cowboys é o ponto forte, sendo o 4º melhor da temporada até agora, a defesa não amedronta ninguém. É apenas a 18ª em jardas cedidas por jogo e simplesmente não conseguiu anotar nenhum TD defensivo em toda a temporada. Também é apenas a 30ª no quesito interceptações, com 4, e está bem em fumbles forçados, com 12. Mas conseguiu recuperar menos que a metade, com cinco posses retomadas. No total, conseguiu roubar a bola apenas 2 vezes mais do que o ataque entregou. Não tem grandes jogadores que chamem a atenção, sendo os principais destaques o LB Sean Lee, um dos melhores da posição, mas que sofre com lesões, e o SS Barry Church, que ao mesmo tempo que aparece bem no box, contra o jogo corrido, e com interceptações em passes médios, os chamados underneath, ele costuma ser queimado nos passes longos.

  • Time de especialistas pode complicar

O time de especialistas de Dallas é um fator que pode complicar a partida para os Giants. O punter Chris Jones já colocou a bola dentro das 20 últimas jardas do campo por 17 vezes em 39 tentativas, deixando sempre a bola muito tempo pendurada no ar, dificultando qualquer tentativa de retorno.

O kicker Dan Bailey é outro que também tem excelentes números na temporada e é um jogador dos mais regulares na posição. Nesta temporada acertou 21 field goals de 23 tentativas e todos os 36 extra points tentados. Em Kickoffs, de 71 tentados, conseguiu 46 touchbacks.

  • Como derrotar este adversário

O segredo para a vitória dos Giants estará nas trincheiras, mais especificamente falando, em parar o jogo corrido de Ezekiel Elliot, forçando o QB Dak Prescott a se arriscar mais nos passes e ficar mais vulnerável à pressão de Jason Pierre-Paul (se estiver saudável), Olivier Vernon e cia, que precisam repetir as boas atuações das últimas partidas. Se conseguir travar o ataque dos Cowboys, Eli Manning terá tempo para tentar conduzir campanhas de pontuação e liderar o Big Blue a uma das mais importantes vitórias da temporada.

Shares