New York Giants

Eli Manning: o fim de uma era ou o começo de uma nova?

Photo by Andrew Mills - NJ Advance Media for NJ.com cert

A quinta semana da NFL já começou e o New York Giants enfrentará o Carolina Panthers em um jogo “recheado de perguntas” que vão muito além das quatro linhas do campo. Eli jogará melhor? A linha ofensiva dará mais tempo para Eli?

Apoie o Giants Brasil e tenha benefícios exclusivos! Clique aqui e confira.

Clique aqui, use o cupom GIANTSBR e compre seus produtos com 10% de desconto!

Shurmur está sentindo a pressão como HEAD COACH, principal, de uma das franquias mais cobradas pela mídia nos EUA? São algumas perguntas que estão nas cabeças de torcedores, jornalistas e até mesmo dos jogadores. Odell, por exemplo, já fez algumas declarações nada positivas.

Na verdade analisando toda a situação um pouco de “longe” parece até mesmo um campo de batalha, torcedores, jornalistas e especialistas que acham Eli a vítima de um ataque que não funciona, uma linha ofensiva que não daria tempo para nenhum quarterback. De outro, os mesmos estão questionando a vitalidade de Eli, juntos números e pegam lances que demonstram péssimas decisões do jogador em campo.

Parte dessa divisão tem acontecido desde o draft quando o Giants ficou com Saquon Barkley na segunda escolha ao invés dos quaterbacks Sam Darnold (New York Jets), Josh Allen (Buffalo Bills) e Josh Rosen (Arizona Cardinals). Muitos torcedores (e com razão) já queriam a substituição de Eli naquele momento, justificados pela quantidade de talento da classe e que não é todo ano que uma franquia ter a segunda escolha geral para escolher quem quiser.

Por isso, escolhendo um quaterback naquele momento, seria possível o Giants fazer uma transição calma e controlada, um calouro estaria aprendendo o máximo possível de Eli até sua aposentadoria.

Photo by AP Photo/David J. Phillip

Todavia, as coisas não foram desse jeito, o Giants escolheu o RB Saquon Barkley de Penn State acreditando que Eli Manning teria um ou dois anos de “combustível” para gastar até sua aposentadoria e com o elenco atual seria possível brigar pelo super bowl.

Esse plano também não deu certo, Shurmur e Dave Gettleman não estão conseguindo manter um time com boas atuações, isso é pior do que perder, se você perde com um time jogando bem, seria uma coisa, mas a franquia tem perdido jogos falhando miseravelmente, são pouquíssimos “touchs” ofensivos de corrida para Barkley fazer o que foi escolhido para fazer. Outro grande exemplo é Odell Beckham Jr, não ter feito nenhum touchdown até o momento.

O resultado dessa batalha parece que não terá um vencedor tão cedo porque tudo indica que o time continuará nesses altos e baixos até sincronizar o playbook, Shurmur e o ataque. Ou acabar a temporada com uma campanha de 1-15. Essa conclusão é fácil de chegar, Eli Manning é a única ferramenta possível para esse tipo de playbook e, dificilmente, Shurmur deixaria Eli no banco de reservas para contar com o veterano Alex Tunner ou então o calouro Kyle Lauletta, ambos não tem a experiência ou calibre para o trabalho.

Mas o que fazer então? Não precisa ser gênio ou ter bola de cristal para saber que o problema está no ataque. A defesa tem feito sua parte muito bem, contra o Saints, por exemplo, permitiu a Drew Brees apenas 217 jardas lançadas sem nenhum touchdown, as pontuações do Saints foram através do jogo corrido.

O que é mais estranho, o ataque passa por uma montanha russa de exibições, na semana 3 contra o Texans, o ataque foi mto bem, Eli soube entregar a bola para seus recebedores. Contra o Saints, primeiro drive, resultou em uma campanha maravilhosa que terminou com touchdown de Sterling Shepard, porém, o ataque depois começou a viver de punts, se quer conseguia produzir o suficiente para touchdowns ou chegarem a linha de field gol. Apenas punt, punt, punt e punt…

Durante esses quatros jogos é possível apontar três grandes culpados: Eli Manning, linha ofensiva e o HC Shurmur. Porém, nesse artigo ficaremos apenas com Eli Manning. 

A resposta desses problemas pode não ser tão agradável para todos mas é inevitável, o New York Giants precisa achar um novo quarterback. Eu, pessoalmente, fui a favor e ainda da escolha do Barkley no draft de 2018 pelo nível técnico e físico do jogador que tem feito excelentes exibições mesmo sofrendo constantes tackles atrás da linha ofensiva, o que seria para perda de jardas, tem se transformados em exibições fantásticas.

Todo mundo sabe que Eli Manning é um quarterback de pocket pass, sem grandes mobilidades, porém, temos que destacar que durante esses quatro jogos muitas jogadas tem surpreendido as defesas adversárias com playaction ousados, era um pouco disso que o playbook também precisava ano passado. Além disso, todos sabem que não é a mobilidade que garante um ataque eficaz, basta olhar Russell Wilson em Seattle, com uma linha ofensiva fraca, o jogador tem sofrido miseravelmente no ataque.

Todavia, sabe o que é mais engraçado, se olharmos de perto os números e táticas, é possível perceber que Russell Wilson e Eli Manning não foram os quaterbacks que mais sofreram pressão na NFL. Se levarmos em conta unicamente, quem aparece em quinto na lista é ninguém menos que Dak Prescott que sempre teve uma das melhores linhas ofensivas, tem sido esse um dos problemas em Dallas.

Os problemas dos ataques nesses times são muito maiores que apenas linha ofensiva, Eli Manning e Russel Wilson tem tido tempo para lançar bolas gradativamente, Seattle se quer consta nas cinco piores linhas ofensivas da NFL, atualmente.

Photo by espn.com

Obviamente, o Giants está na lista, mas esses números não contém a realidade fática. A linha ofensiva nos dois primeiros jogos foi formado por LT Nate Solder, LG Will Hernandez, C John Halapio, RG Patrick Omameh e RT Ereck Flowers é uma linha bastante diferente dos dois últimos jogos que foi formada por LT Nate Solder, LG Will Hernandez, C John Greco, RG Patrick Omameh e RT Chad Wheeler.

A entrada de John Greco e Chad Wheeler sustentou a linha ofensiva e permitiu o ataque liderar mais jogadas, o ataque é totalmente diferente, tanto é que a franquia conseguiu a primeira vitória com essa nova formação. A melhora é tão visível que até mesmo as atuações de Nate Solder e Will Hernandez melhoraram.

Fato é que o tempo para lançamento pode até ser curto ou alternado, mas Eli Manning tem ganhado preciosos segundos com essa linha ofensiva e nas vezes que tinha isso em mãos não tem tirado bons resultados, essa é a verdade que precisa ser aceita por todos, o que não é um erro ou um pecado, visto que o jogador já está em idade avançada. A força física não é a mesma. Ok, isso é fácil de aceitar, o que não é fácil de aceitar são as inúmeras oportunidades perdidas na endzone ou as leituras erradas ou a limitação em deixar o jogador soltar o braço.

Olhem esse relato:

É nítido que Eli não está arriscando passes longos, sempre que a situação aperta para uma jogada que precisará de muitas jardas para conseguir o first down, o ataque do Giants tem sido conservador ao extremo e preferido corridas mesmo com situações para mais de dez jardas ou até mesmo um passe lateral para o Barkley que tentará milagrosamente conseguir algumas dezenas de jardas.

Photo by AP Photo/Michael Ainsworth

Contra Dallas, mesmo com dois recebedores nitidamente abertos, ele prefere fazer um arremesso para o Barkley, sua bola de segurança:

Os erros tem acontecido com frequência, muito menor que nos dois primeiros jogos, isso é fato, mas ainda tem acontecido. E onde existem pontos errados, a mídia nova iorquina não deixa barato, dessa vez Jordan Raanan da ESPN deixou fortes críticas para Eli Manning (para ver a notícia completa, clique aqui) quando disse que a média de jardas ganha por lance do jogador é muito baixa.

Outra situação intrigante, mesmo com números aparentemente confortáveis74.2% Comp Rate, 1,055 jardas, 4 touchdown e uma interceptação – Eli Manning não tem conseguido finalizar as situações de terceiras decidas, sempre quando o time tenta um passe pelo meio e uma corrida, ainda precisa de algumas jardas, as chamadas das jogadas são passes curtos novamente (o que já é esperado pela defesa) ou uma corrida sem noção que fatalmente será aniquilada pela defesa.

Entretanto, o pior, ao meu ver é o checkdown de RB que Shurmur passou para Eli Manning, sempre que for necessário o jogador terá liberdade de fazer esse passe lateral, conforme na imagem acima, mesmo que totalmente contrário ao plano de jogo. Eu acho que isso tem acabado com nosso ataque, exigir outra coisa de Eli é pedir muito nesse momento, visto que é necessário deixar o jogador o mais confortável possível no pocket para que o foco seja acertar passes e mover as correntes por todo campo.

Eli Manning precisa melhorar seu jogo, todos entendem que o jogador tem 2 títulos nacionais do super bowl, porém, ainda é necessário para o bem da franquia desse ataque que Eli tome a frente desse time, se não, as derrotas vão continuar vindo e vindo. Eu sei e todos sabem que Eli não está nessa barca de culpa sozinho, a linha ofensiva poderia ajudar mais e Shurmur com as chamadas e plano de jogo também, mas tudo isso pode melhorar no momento que o ataque completar jogadas, aquele ataque do primeiro drive contra o Saints tem que ser a regra e não a exceção.

Eu, pessoalmente, acredito muito no talento do Pat Shurmur. Ele será peça fundamental para adaptar esse ataque. O playbook vai precisar de mais criatividade no ataque nessas situações de terceira decida, deixar Eli arriscar algumas bolas longas não fará mal, deixar Saquon Barkley correr mais snaps com a bola ao invés de ficar exclusivamente em passes.

No próximo jogo contra o Panthers, praticamente, a chave do jogo será definida por Eli Manning vs a defesa por passes de Carolina, a formação do front seven irá fazer de tudo para pressionar o jogador, para que assim cometa erros. 

Shares