Passado o Draft 2016 da NFL, chega o momento de analisarmos todos os jogadores escolhidos pelos Giants. A grande parte dos torcedores já viram os nomes dos escolhidos, mas poucos sabem as habilidades e as possibilidades que eles trazem para o elenco dos Giants, vamos então ver como foi:



1º escolha: Eli Apple, CB de Ohio State

eli apple

Os Giants surpreenderam – muito também devido a seus dois possíveis alvos, apontados pela mídia, terem sido selecionados antes, como foi o caso do OT Jack Conklin e o OLB Leonard Floyd. Então, com seus alvos sendo selecionados antes, com a 10° escolha geral, os Giants selecionaram Eli Apple.

Apple é um dos jogadores mais novos do draft e possui os atributos físicos que a posição precisa, ele é alto, atlético, forte e com boa envergadura. É um jogador rápido, consegue boa aproximação ao WR e é extremamente competitivo na disputa pela bola. É considerado um jogador com um grande potencial para evoluir na NFL nas mãos de uma boa comissão técnica.

Entretanto nem tudo são flores. Apple jogou poucos anos no College, ainda precisa refinar seu jogo e por ser bem agressivo, comete muitas faltas – algumas bem infantis – e precisa corrigir isso na NFL, que tem sido bem rigorosa quando o assunto é “preservar o espetáculo do jogo aéreo”.

Ao pensarmos nas possibilidades futuras, Apple, se bem trabalhado, poderá ser um grande jogador, pois possui atributos físicos necessários para a posição. O que resta a nós torcedores é esperar para ver sua evolução.

Opinião Giants Brasil:

“Uma escolha surpreendente dos Giants, considerando os jogadores ainda disponíveis no Draft. Apesar disto, o GM Jerry Reese fez claramente um movimento para o futuro nesta escolha. Apple é um jogador com muito espaço para evoluir mas que já pode contribuir como backup imediato de DRC e Janoris Jenkins. No caso de lesão de um dos titulares pode prematuramente assumir a posição, mas a ideia é que seja preparado para ser o titular no final do contrato de Rodgers-Cromartie. Tecnicamente ele é alto e tem boa velocidade, mas as vezes perde o corte do receiver, permitindo a separação”.

highlights Eli Apple

2º escolha: Sterling Shepard, WR de Oklahoma

Sterling-Shepard

Com a 40º escolha geral, Jerry Reese deu uma norma arma a Eli Manning. O próprio GM em entrevista logo após a escolha o chamou de: “jovem Victor Cruz”. E ainda acrescentou dizendo: “foi uma escolha fácil para nós. Shepard está pronto para entrar desde o primeiro minutos e produzir ótimos números”.

Aliás, números são mesmo um belo atrativo trago por Sterling, já que no seu último ano ele obteve 86 recepções para 1.288yds. Ele é um jogador baixo, porém tem boas mãos e produz muito após a recepção – sendo assim, oposto a tudo que Randle foi na temporada passada.

Shepard corre muito bem as rotas, tem ótimas mão, é bem rápido e o melhor, pode jogar em qualquer posição de WR, assim como Cruz e Odell. Com o ataque rápido proposto por McAdoo, Shepard tem tudo para ir bem desde o inicio em NY. Aliás, em entrevista após sua escolha, ele se disse “muito feliz por ter sido escolhido pelos Giants” e que “não haveria local melhor para ele”.

Opinião Giants Brasil:

“A escolha de Shepard na segunda rodada é mais um movimento de segurança de Reese. Shepard é uma garantia para o caso de Victor Cruz não voltar no mesmo nível que estava antes das lesões. Caso o veterano consiga contribuir em alto nível, o rookie será uma arma na rotação. Caso contrário, assume a posição de slot receiver titular. Tecnicamente ele tem bom entendimento de rotas e consegue muitas jardas após a recepção. Tem boas mãos e sofre poucos drops. Além disto, também é bom retornador, aumentando o poder de fogo do time, que já é bom com Dwayne Harris e Shane Vereen”.

Highlights Sterling Shepard

3º escolha: Darian Thompson, Safety de Boise State

darian thompson

Com a 71º escolha, os Giants selecionaram Darian Thompson. O safety de Boise State é um excelente jogador contra passe (teve 19 interceptações na carreira universitária), tem ótimos instintos, persegue a bola onde vai. Ele foi titular nos 4 anos em Boise State, era capitão da equipe, pode jogar tanto de FS quanto de SS. O problema para Thompson foram suas falhas em tackles, muitas vezes acabando gerando uma big play por tentar ser agressivo por de mais. Porém, essa é algo que pode ser corrigido com os treinadores dos Giants.

Jerry Reese e Ben McAdoo falaram sobre ele após sua seleção:

Achamos ele um denfensor sólido, alguém que fazia as chamadas, era o líder da equipe. Ele tem várias coisas que me fazem gostar dele, é um ball hawk. Nós o vimos como um FS e acreditamos que ele trará uma grande concorrência para a equipe”, disse Reese.

Já McAdoo acrescentou: “Nós temos vários caras jovens nas posições de safety, porém muitos deles não puderam mostrar seus talentos no primeiro ano. Darian é um jogador que tem tudo para competir de igual para igual com eles, é um grande garoto”.

Com Landon Collins sendo o SS titular, a batalha para formar dupla com ele será interessante durante os treinamentos, e Thompson tem várias armas a seu favor, melhorando ainda mais seu jogo, poderá estar muito presente em campo durante a temporada.

Opinião Giants Brasil:

“A terceira escolha dos Giants é de um jogador que necessita de experiência, mas que pode contribuir ainda na primeira temporada. Thompson é um Free Safety playmaker, que tem características que complementam muito bem o Strong Safety titular Landon Collins. Tecnicamente ele é um jogador que busca a interceptação e que não tem medo de dar tackles. Atinge firme os adversários para impedir avanços, principalmente de running backs”.

highlights Darian Thompson

4º escolha: B. J. Goodson, LB de Clemson

b.j. goodson

No terceiro dia de Draft os Giants selecionaram o tão esperado LB pela torcida. Goodson é um LB forte porém não muito rápido, entretanto sua produtividade é muito alta. Com Clemson ele teve 108 tackles na última temporada, some-se a esses números 5,5 sacks, um fumble forçado, 5 passes defletidos e duas interceptações. Ele jogou tanto de outside LB como Inside LB.

Ele é um jogador com muito instinto, sempre esta na bola, apesar de pouco atleticismo. É ótimo contra o jogo corrido, mas precisa ser mais veloz para acompanhar a cobertura no jogo aéreo. Com Kennard jogando como Sam e Casillas e JT Thomas como Will, Goodson deve disputar uma vaga no roster contra Unga e Brinkley, além dos dois veteranos que chegaram via FA em Sheppard e Robinson.

Logo após sua seleção, Goodson disse:

Definitivamente queria estar lá. É um lugar lendário. Um lugar onde o futebol é muito, muito importante. Eu me apaixonei quando fui visitá-los”.

Opinião Giants Brasil:

“Esta escolha pode surpreender na temporada. Considerado um steal do draft, Goodson foi capitão da defesa de Clemson, uma das melhores do College Football, e um bom upgrade para a unidade que tem deixado os cabelos dos torcedores em pé, nos últimos anos. Tecnicamente ele é um pouco lento na cobertura do passe, mas compensa isso com boa leitura das jogadas, estando sempre perto da bola. É um tackleador feroz que consegue ajudar a linha defensiva a parar corridas pelo meio”.

highlights B.J. Goodson

5º escolha: Paul Perkins, RB de UCLA

paul perkins

Mesmo com um backfield cheio – Jennings, Willians, Vereen, Darkwa e mais recente Rainey, os Giants viram em Perkins uma boa opção para a escolha de nº 149 no geral. Perkins é um RB ágil, utilizando bem os cortes para vencer seus adversários. Ele não tem uma velocidade acima da média e nem foi muito usado correndo entre os tackles em UCLA, porém não se esquiva de ir para cima do adversário. Ele teve ótimos números no college, conseguindo duas temporadas com +1.000yds terrestres. Na temporada de 2015 ele conseguiu 1.343yds, 14 TD’s correndo, 30 recepções para 242yds e 1 TD.

O que pesou contra Perkins foi seu tamanho, considerado pequeno e um jogador leve, o que deixa receosos as equipes que esperam que seus RB’s possam participar dos bloqueios em jogadas de passe. Resta saber se ele conseguirá evoluir para participar do confuso backfield de New York.

Opinião Giants Brasil:

“Outro jogador considerado steal do draft, Perkins é constantemente comparado ao running back recordista dos Giants, Tiki Barber. Se conseguir jogar próximo do que Barber jogava e manter a boca fechada, tem tudo para se tornar uma lenda em New York. Tecnicamente ainda é uma escolha de 5ª rodada que precisará melhorar fundamentos. Em contrapartida, faz cortes daqueles que quebram os tornozelos dos defensores e forçam tackles errados, ganhando muitas jardas por carregada. Tem potencial para ser o titular em alguns anos (talvez já no próximo)”.

highlights Paul Perkins

6º escolha: Jerell Adams, TE de South Carolina

jerell adams

Com a escolha 184 geral, os Giants selecionaram Adams, um TE para uma posição também inchada no elenco. Ele é um jogador alto e magro, com boa velocidade. Conseguiu 28 recepções para 421yds e três touchdowns. Adams sofreu com a inconstância na posição de quarterback de sua universidade, algo que em certo ponto, limitou sua produtividade.

Ele é um bom bloqueador – algo que deve ter chamado a atenção dos scouts dos Giants – porém precisa ganhar mais massa muscular para enfrentar os defensores da NFL.

Outro ponto que precisa melhorar é sua árvore de rotas, muito limitada pelas funções que fazia na universidade. Enfim, é acompanhar seu desenvolvimento e descobrir se poderá em algum ponto se tornar titular na NFL, posição essa que pertence a Larry Donnell nos Giants.

Opinião Giants Brasil:

“Um dos principais fatores que levaram Reese a escolher Adams na última escolha é o fato de que Adams é um bloqueador feroz mas que sabe receber passes. Ainda tem um longo caminho para percorrer na NFL, necessitando ser polido nas rotas e no entendimento do jogo, mas é uma boa aposta para uma posição que hoje não tem nenhum jogador de destaque real. Tecnicamente é forte, alto, com boa velocidade, bom bloqueio e mãos firmes”.

Highlights Jerell Adams

*Fonte, aqui.


Clique e garanta seu ingresso com desconto!