DRAFT 2018

NFL Draft 2018: Observações Gerais

Photo by Adam Hunger for USA TODAY Sports

Fala galera. Vamos falar de draft?! Estamos no tempo exato, nem muito antes e nem muito em cima, após o combine é a data perfeita. Se for cedo demais, ainda existiam muitas especulações e agora (após entrevistas, falas e análises concretas após o resultado do combine sair) será menos difícil de traçar um possível caminho para o Giants.

Dessa maneira, hoje, iremos começar com algumas observações gerais. Depois, vamos colocar aqui para vocês uma análise completa do top 5 mais os nomes que merecem atenção para cada posição do draft.

No final, queremos colocar os mock’s drafts e um resultado definitivo para determinar quais seriam as “melhores escolhas”.

  • NECESSIDADES

A franquia não tem um time completo e competitivo faz bastante tempo, isso não da para ser “maquiado” uma única posição e deixar as outras posições de lado.A maior prova disso é que mesmo com a contratação do WR Brandon Marshall, o jogo do Eli Manning não surtiu efeitos mostrando ainda mais a “ferida aberta” que o time possui, no que diz respeito a profundidade de elenco.

Se formos analisar no papel, após a lesões de quase todos os recebedores titulares do time, a franquia teve que buscar nomes para completar o elenco, inclusive, promover jogadores do practice squad para completar o time, como o WR Travis Rudolph.

Photo by Winslow Townson | AP Photo

O mesmo se aplica a todos os setores do time. Se não acreditam, olhem para a posição de lineback, por exemplo, o time foi escalado com Jonathan Casillas, B.J. Goodson e Devon Kennard em aproximadamente 50% de todos os snaps defensivos jogados.

Entretanto, é possível observar que nomes como Calvin Munson, Kelvin Sheppard e Keenan Robinson também participaram de forma limitada, o que deixa claro a falta de liderança no setor (para ver a contagem de snaps completas, clique aqui).

Por isso, vamos tentar colocar todas as necessidades do time em ordem (até mesmo daqueles que precisam apenas de reserva) levando em conta quem irá sair do time e torna-se um free agent.

1. LINHA OFENSIVA

Photo by Howard Smith – USA TODAY Sports

Basicamente, a linha ofensiva do Giants começou com a seguinte formação na semana 01: Flowers de LT (tackle esquerdo), Pugh de LG (guard esquerdo), Richburg de center, John Jerry de RG (guard direito) e Bobby Hart de RT (tackle direito).

Durante a temporada houveram várias mudanças devido as lesões e péssimas atuações. Vale a pena destacar algumas iniciando do lado esquerdo no LT até o RT:

  • Na Semana 05 vs Los Angeles Charges – Formação da linha ofensiva foi composta por Ereck Flowers, Justin Pugh, Brett Jones, John Herry e Bobby Hart;
  • Na Semana 08 vs Seattle Seahawks – Formação da linha ofensiva foi composta por Ereck Flowers, John jerry, Brett Jones, D.J. Fluker e Justin Pugh;
  • Na Semana 09 vs Los Angeles Rams  – Formação da linha ofensiva foi composta por Ereck Flowers, John Herry, Brett Jones, D.J. Fluker e Bobby Hart;
  • Na Semana 11 vs Oakland Raiders – Formação da linha ofensiva foi composta por Ereck Flowers, John Herry, Brett Jones, Jon Halapio e Chad Wheeler;
  • Na Semana 16 vs Arizona – Formação da linha ofensiva foi composta por Ereck Flowers, John Jerry, Brett Jones, Jon Halapio e Bobby Hart.

Depois disso tudo a linha ofensiva terminou a semana 17 com a seguinte formação: Chad Wheeler de LT (tackle esquerdo), John Jerry de LG (guard esquerdo), Brett Jones de Center, Jon Halapio de RG (guard direito) e Adam Bisnowaty de RT (tackle direito) contra o Washington Redskins.

Durante a temporada, Brett Jones jogou quase 90% de todos os snaps ofensivos devido a lesão de Richburg. D.J. Fluker, por sua vez, também participou de muitos jogos. Por fim, a franquia também testou o, undrafted, Chad Wheeler e Adam Bisnowaty que foi draftado no sexto do draft de 2017. Além dos free agents contratos como John Greco e Jon Halapio.

Photo by Mark J. Rebilas-USA TODAY Sports

Agora, recentemente, uma boa novidade foi que a franquia renovou o contrato de John Greco, apesar de ser veterano, caso esteja saudável, fatalmente contribuíra para o time.

Todavia, ainda sim, é unanimidade para todos que o Giants precisam reforçar esse setor como se não houvesse amanhã. Não tem melhor emprego das palavras, seja qual for o plano do HC Shurmur para o time, vai passar pelas trincheiras da linha ofensiva que precisa ser renovada.

Para agravar a situação ainda mais, D.J. Fluker ficará disponível para o mercado de free agents, além dos dois melhores jogadores de linha ofensiva, Weston Richburg e Justin Pugh.

Por isso, não existe meio caminho, não existe a possibilidade de colocar alguns punhados de jogadores que foram draftados em rounds finais ou ainda veteranos, é necessário renovar e reforçar.

Não podemos esquecer que o Giants não tem muito dinheiro para gastar nessa pré temporada, logo, o draft é talvez o único, melhor e mais barato caminho a ser usado aqui.

2. Runningback

Outro setor caótico do time. O Giants nunca teve o costume de investir muito na posição, principalmente, depois de gastar uma escolha de primeiro round em um corredor e logo em seu primeiro ano como calouro, devido a uma lesão, o jogador teve que encerrar a carreira como jogador profissional.

As últimas escolhas de corredores para o time foram:

  1. Wayne Gallman – 4º round de 2017;
  2. Paul Perkins – 5º round de 2016;
  3. Andre Williams – 4º Round de 2014;
  4. Michael Cox – 7º round de 2013;
  5. David Wilson – 1º Round de 2012.
Photo by William Perlman/The Star-Ledger

Se você, caro leitor, olhar os números do time em corridas no passado, ficará fácil constatar que desde a dupla Ahmad Bradshaw (draftado em 2007) e Brandon Jacobs (draftado em 2005), o time não conseguiu emplacar nenhum jogo corrido confiável, parte da culpa recaí sobre a péssima linha ofensiva que o time está acumulando pelos anos, porém, não é possível negar que a outra parte de culpa é dos jogadores e do playbook miserável que tem sido empregado nos últimos anos.

Por outro lado, Shane Vereen e Orleans Darkwa vão virar free agents deixando o time apenas com Wayne Gallman e Paul Perkins. Apesar de serem jogadores jovens e que podem dar bons frutos no futuro é loucura contar apenas com os dois e abrir mão do melhor corredor da temporada passada que o time teve, estou falando de Orleans Darkwa que conseguiu a incrível marca de 751 jardas corridas para 5 touchdowns com uma média de 4.4 jardas por corrida, não são números de elite mas é uma boa produção comparado ao passado recente do time.

Logo, esse setor precisa de reforços, seja através de free agent que contém veteranos de qualidade e baratos ou pelo draft com jogadores que podem ser verdadeiros playmakers. Como Saquon Barkley, por exemplo.

Photo by Rich Barnes-USA TODAY Sports

A única certeza desse draft que é possível ser determinada para o Giants é essa: vamos draftar um corredor, principalmente, porque existem excelentes disponíveis, seja no primeiro round ou nos rounds inferiores, é fácil dizer isso porque o HC Shurmur gosta de um jogo corrido concreto e eficiente, logo, com certeza a comissão técnica levará bem a sério essa necessidade.

3. Linebacker (4-3 middle LB e strongside LB/Weakside LB ou 3-4 outside LB ou Edge Rushers – DE/OLB)

Outro setor que tem sido negligenciado pela administração do antigo GM Jerry Reese, tirando B.J. Goodson que foi draftado no 4º round de 2016, o Giants não selecionava um LB desde 2011 com Greg jones e Jacquian Williams, ambos no 6º round. Só por curiosidade, o último LB draftado pelo Giants no primeiro round foi Carl Banks em 1984. O mais perto que se chegou foi uma escolha de segundo round com Clint Sintim em 2009.

Photo by AP Photo/Ray Stubblebine

Esse talvez seja o setor que mais irá perder jogadores nessa próxima free agency. Os titulares da formação 4-3 foram Devon Kennard, B.J. Goodson e Jonathan Casillas. Desses, apenas o Goodson não irá se tornar free agent.

Nos reservas também vão sair os jogadores Keenan Robinson, Kelvin Sheppard, Mark Herzlich, Akeem Ayers e Deontae Skinner. Tantos jogadores assim representam a necessidade de rotação que o time precisava para tipos de jogadas devido a falta de talento no elenco na posição.

Se fosse para destacar certas atuações seriam do B.J. Goodson e Calvin Muson (reserva imediato de Goodson), porém, ambos são LB que jogam exclusivamente no meio, principalmente, na marcação de QB e RB, ou seja, falta talento nas pontas do campo, falta transformar as atuações em números em sacks e fumbles.

Para agravar (ou a solução) a necessidade de talento na posição, o novo coordenador defensivo do Giants, James Bettcher, adora jogar com defesa em formação 3-4, ou seja, os LB que jogam pelo lado de fora da linha ofensiva, vão precisar ser jogadores conhecidos como edge rushers, assim como Von Miller é no Broncos.

Logo, se o elenco não tem esse tipo de jogador, o único que talvez faria essa função bem é Olivier Vernon, por isso, é bem sensato esperar a franquia invista nesse setor.

4. OUTRAS POSIÇÕES

Bom, o Giants tem necessidades em tantas outras posições, principalmente, a de quaterback. Por isso, iremos mencionar algumas aqui.

  • Quaterbacks
Photo by Joseph E. Amaturo

Nós não colocamos ela como a primeira (e maior) necessidade do time porque não conseguimos definir ainda quanto o HC Pat Shurmur vai contar com Eli Manning para os próximos anos. Além disso, existe a questão do Davis Webb, ninguém sabe como anda o progresso dele ou se a franquia permanecerá investindo nele.

Mas é sabido que o treinador gosta de trabalhar com QB simples e jogadas de corrida, tal tipo de pensamento é maravilho para Eli Manning, porém, é necessário pensar no futuro, logo, é possível que o Giants venha a escolher um QB no draft mesmo com a segunda escolha geral.

Vale ressaltar a “altura” da pick que a franquia nova iorquina tem em mãos, a segunda escolha geral, ou seja, mesmo que não consiga trocar ou ainda mesmo com os melhores jogadores disponíveis para serem draftados, não é condenável draftarmos um quaterback aqui, ao contrário, é o melhor e mais seguro passo que o time pode pensar a longo prazo.

Dessa maneira, resolvemos deixar em tópico separado, mas não somos cegos em acreditar que Eli Manning pode jogar em um nível regular ou alto por mais dois ou três anos, ou seja, é importante que a franquia trabalhe um substituto o mais rápido possível e a forma mais rápida pode ser através desse draft cujo qual tem inúmeros nomes de qualidade.

  • DE/OLB – EDGE

Independentemente do Giants virar uma defesa 3-4 ou não, o time precisa desesperadamente de rotatividade no elenco, principalmente, na linha defensivo visto que as atuações de Vernon e Pierre-Paul não tem impactado diretamente o jogo na defesa. Ambos estiveram em campo quase toda a temporada, porém, Pierre-Paul converteu mais sacks, porém, Vernon conseguiu ser mais completo contra o jogo corrido e causando pressão no quaterback adversário.

Photo by Gcobb.comLogo, contar penas com dois jogadores é impossível e com as saídas de Kerry Wynn e Jay Bromley, esse setor precisará de reforços.

  • Cornerback

O grande problema aqui não são as saídas e sim problemas com salários altos e indisciplina no elenco. Por exemplo, Dominique Rodgers-Cromartie, está em uma situação unicamente salarial, não é questão de estar jogando bem ou idade mas é porque seu contrato tem um hit no cap de 2018 no valor de $ 8.000.000,00 (oito milhões de dólares), caso seja cortado, o clube deverá pagar ao jogador unicamente o valor de $ 2.000.000,00 (dois milhões de dólares), logo, é bem provável que ele seja cortado do time para deixar mais dinheiro disponível no caixa do time.

Photo by: Charles LeClaire-USA TODAY Sports

Em situação diversa está o jogador, Eli Apple. Draftado em 2016, porém, ano passado colecionou problemas internos dentro da franquia e acabou sendo afastado do time, seu futuro é incerto apesar do HC Pat Shurmur falar que o mesmo sempre será bem vindo.

Logo, se DRC e Eli Apple saírem do time, apenas o Janoris Jenkins é confiável para liderar os CB’s, ou seja, o Giants precisa reforçar essa posição mesmo que algum dos dois fiquem, talento nunca é demais para compor a secundária do time.

  • Wide Receiver
Photo by Anthony J. Caus

O único free agent na posição é Tavares King, porém, a franquia tem o recebedor Brandon Marshall em situação contratual parecida com a de DRC. O cap hit do Brandon Marshall em 2018 será de $6.156.250,00 (seis milhões e cento e cinquenta e seis mil e duzentos e cinquenta dólares). Caso a franquia decida cortar o jogador, terá que pagar apenas $ 1.000.000,00 (um milhão de dolares).

O Giants devem ficar de olho nessa posição, seja buscando um veterano com um valor reduzido ou buscando algum talento nos jogadores não draftados.

Comentem aí quais são as necessidades do Giants agora e vamos discutir até aparecer uma solução. Não esqueçam de fazer o download do nosso aplicativo e avaliá-lo. Aproveite e se inscreva no nosso canal no YouTube! 😀

Shares